Método Derose

BLOG

Boa Dicas para liderar melhor

08.11.2017

John Wooden sabia como liderar um time e os seus resultados comprovam isso. Ele é o treinador de basquete mais  vencedor de todos os tempos. Considerado um mito no métier e fora dele também. Ganhou 10 campeonatos nacionais nos Estados Unidos em sua vida como treinador  da equipe UCLA entre 1964 e 1975.

Eu sei, talvez você não se interesse pelo esporte ou não entenda a dificuldade desse currículo no  basquete estado unidense. Mas,  me permita  ilustrar um pouco mais e sei que se motivará a conhecer os valores desse Líder. Confio que esse conhecimento  irá contribuir para que você tenha uma vida com mais resultados.

Imagine os  melhores jogadores do mundo. Cinco gigantes de um lado contra cinco gigantes do outro, todos altamente preparados, disputando uma bola em uma quadra de 28m por 15m e degladiando-se para acertar mais vezes essa bola em uma cesta de 45cm de diametro. Todos estão sedentos por vitória. Um jogo é  uma batalha de uma guerra cujo as armas são estratégia, força, velocidade, habilidade e precisão. Sem um trabalho de equipe e um líder competente  o objetivo já era. Esse mestre da liderença, John Wooden, ganhou mais de 80 jogos (batalhas)  consecutivos, 10 campeonatos (guerras) , sendo que 7 foram consecutivos. Isso é assombroso, acredite!

Projete que o Avaí ou o Figueira,  sob o comando de um mesmo treinador, tenha vencido 80 jogos seguidos, 10 campeonatos brasileiros, sendo que 7 foram consecutivos. Acho que deu para entender a dimensão dos resultados, não é!? ;)

O Sr. John Robert Wooden tem muito a nos ensinar sobre liderança e sugiro que leiam o livro “Jogando para Vencer” que inclusive é uma referência para o nosso Bernardinho do vôlei.

Apesar de o título do famoso livro indicar  a valorização do resultado, o reconhecido coach sempre motivou mais o esforço do que o resultado. Alguns depoimentos de seus liderados comprovam isso:

 “Ele ficava mais aborrecido quando ganhávamos sem usar todo o nosso potencial do que quando perdíamos fazendo o nosso melhor”

Ele nunca falava coisas como “vão lá e acabem com aqueles caras” para nos motivar. Em vez disso, dizia “quero que vocês joguem o melhor que puderem do jeito que nós treinamos”.

Ou seja, o desenvolvimento das potencialidades dos liderados trouxeram  muitos resultados vencedores e ainda forjaram liderados leais que deram o sangue pelo seu líder e time. 

Encontrar um líder assim nos induz a serví-lo, mas muito mais do que isso, nos liberta das nossas limitações e nos inspira a sermos um exemplo desse tipo também. Eu tenho o privilégio de ter um professor que exige o melhor de mim, especialmente no que concerne a reeducação de comportamento. Seu nome é  DeRose e classifico-o como um desses homens que,  como John Wooden, conseguem resultados muito acima da média se dedicando a estimular o melhor dos seus liderados.

Na minha experiência com líder de equipe confio  que conversar sobre liderança, sobre características de bons líderes podem contribuir para que melhoremos as nossas vidas e que conquistemos uma melhor performance no que fazemos, tendo ou não uma equipe para liderar.

Se você concorda esse convite é para você:

Dia 16/11, quinta-feira, ministrarei a palestra “Um líder não se desespera”. O farei em parceria com Gabi Gonçalo, também especialista em liderança. Essa atividade faz parte do “High Performance Week Floripa” que está sendo organizado pelo DeRose Trindade. 

A programação completa  contará com:

  • Aulas práticas;
  • Palestra Gerenciamento do Stress para Alta Performance;
  • Aula especial de mentalização positiva;
  • Palestra Um líder não se desespera;
  • Palestra Sucesso financeiro em 2018
  • Gourmet de encerramento;
  • Muito network

Para saber mais se cadastre no link: Quero mais informações

Vamos fazer um mundo melhor começando por nós mesmos?

Abraço,

Helton

Boa Seus defeitos são um trunfo.

15.05.2017

Não somos perfeitos. Nem você, muito menos eu. Alguns de nós se esforçam para ser e isso não está errado, mas não conseguirão, não conseguiremos.

Mas quer saber, as pessoas não gostam daquelas que querem se mostrar perfeitas, gostam mesmo do imperfeito. Quer um exemplo?

Você já percebeu como ficamos encantados com aquelas pessoas que andam tropeçando, falam errado, são carecas, desdentadas e ainda fazem cocô nas calças... sim, isso mesmo, ninguém resiste a uma criança deliciosamente imperfeitinha.

Acontece que nós, como toda criança, de tanto sermos corrigidos passamos a acreditar que as pessoas só irão gostar de nós se formos perfeitos. SQN.

Assumir alguns defeitos em público contribuirá para você se relacionar bem com todo mundo:

- primeiro porque assumir que você é imperfeito e dar risada das imperfeições o deixará mais descontraído. Todos gostam de pessoas descontraídas.

- segundo porque eliminando a pressão da perfeição sobre si mesmo, você deixará de exigir a perfeição instantânea nos outros, a sua humanidade será elevada às alturas e todos gostarão mais de você;

- terceiro porque, como o escritor DeRose declara: “O problema é o preâmbulo da solução”.  Ou seja, admitir pontos fracos é o ponto de partida para transformá-los em fortes. Quem não admira uma boa histórias de autossuperação?

O seu diferencial é a mistura dos seus pontos fortes com os seus pontos fracos. Ninguém gosta de se relacionar com personagens de propaganda de margarina na vida real. Assuma os seus defeitos no ambiente familiar, no trabalho e nas relações afetivas. Dê risada deles, transforme-os e inspire todos a sua volta.

Com defeitos,

Helton



Copyright @ CENTRO CULTURAL TRINDADE 2017 - Desenvolvido por Demand Tecnologia e BFree Digital